Ciência a serviço da sociedade

Tatiana Nepomuceno - 12-04-2019
462

Encontrar soluções para minimizar os impactos ambientais ocasionados pelos rompimentos das barragens de mineração em Minas Gerais. Isto é o que motiva pesquisadores apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), reunidos ontem (11) para o Seminário Técnico Parcial dos Projetos da Chamada 06/2016 - Apoio a Redes de Pesquisa para Recuperação da Bacia do Rio Doce. A iniciativa acontece até hoje (12) na sede da FAPEMIG, em Belo Horizonte, e vai apresentar os resultados preliminares das pesquisas selecionadas para contratação da presente Chamada. Ao todo serão exibidos 16 projetos durante estes dois dias de evento.

Na cerimônia de abertura do evento, estavam presentes o presidente em exercício da FAPEMIG, Paulo Beirão, a coordenadora do Programa de Inovação e Indução da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Kelly Rocha de Queiroz; o coordenador geral do Programa de Pesquisa em Ciências da Terra e Meio Ambiente, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Onivaldo Randing, e a Assessora de Avaliação de Resultados em CT&I da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Espirito Santo (Fapes), Rosa Maria Trevas.

Paulo Beirão agradeceu a presença de todos, ressaltou a importância deste elo entre o Governo e a academia e lembrou da urgência e imediatismo da FAPEMIG ao convocar a comunidade acadêmica para procurar alternativas para conter os impactos ambientais ocorridos. “Quando houve a ruptura da barragem em Fundão (2015), imediatamente convocamos os pesquisadores mineiros e promovemos um workshop com a seguinte pergunta: dada a extensão e natureza sem precedentes do desastre, que tipo de alternativa nossa inteligência acadêmica seria capaz de desenvolver para minimizar os danos ambientais ocasionados?”, recorda.

As respostas à pergunta estão sendo apresentada nestes dois dias de evento. Os coordenadores de cada projeto se revezam para explicar a dinâmica e os resultados já alcançados. No primeiro dia, por exemplo, houve a demonstração de pesquisas que apontaram a possibilidade de recuperação orgânica do solo ao se estudar os problemas químicos e físicos do mesmo. Outras avaliaram o comportamento, crescimento e regeneração da terra e vegetação. De cunho social, também foram apresentadas pesquisas que sugerem caminhos para transformar o desastre do Rio Doce em oportunidade local.

Para hoje (12), estão previstas a apresentação de temas que versam sobre ecologia e recuperação da Bacia, implementação de tecnologia social de governança participativa para políticas públicas de recuperação do Rio Doce no Espírito Santo, plantas medicinais úteis em seu entorno, potencial de recuperação da qualidade da água e da riqueza de espécies e biodiversidade de áreas prioritárias da Bacia, dentre outras. O evento é gratuito e aberto ao público e a programação completa de hoje segue abaixo: 


PROGRAMAÇÃO

Dia 12/04/2019 – Sexta-Feira

Credenciamento: 08h30min.

1 – “Sem o rio e sem o mar: implementação de tecnologia social de governança participativa para políticas públicas de recuperação da bacia do Rio Doce no Espírito Santo”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: Adrian Gurza Lavalle

2 – “Localização ótima de zonas de vegetação para a recuperação da bacia do Rio Doce”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: Carlos Antônio Alvares Soares Ribeiro

3 – “Plantas medicinais e úteis da bacia do Rio Doce”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: Alberto Jose Cavalheiro

4 – “Potencial de diversas espécies vegetais visando o repovoamento da região da bacia hidrográfica do Rio Doce”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: Moacir Pasqual


 Intervalo para Almoço - 12h às 14h

5 – “Recuperação dos habitats da mata ciliar e aquática da bacia do Rio Doce”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: Carlos Frankl Sperber

6 – “Restauração com ciência do Rio Doce: da dimensão edáfica ao sensoriamento remoto”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: Geraldo Wilson Afonso Fernandes

7 – “Uma Infraestrutura de e-Science voltada à gestão da qualidade de água na bacia do Rio Doce”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: João Paulo Andrade Almeida

8 – “Potencial de recuperação da qualidade da água, sedimentos e da riqueza de espécies e biodiversidade de áreas prioritárias da bacia do Rio Doce, em Minas Gerais: uma ação integrada”. (20 min de apresentação)

Pesquisador: Francisco Antônio Rodrigues Barbosa


SERVIÇOS

Dias: 11 e 12 de abril

Horário: 9h até 17h

Local: José Cândido da Silveira, 1.500.

Inscrição: evento é aberto ao público e para participar como ouvinte é necessário enviar e-mail com a solicitação para cerimonial@fapemig.br.