Retrospectiva FAPEMIG

Tuany Alves - 28-12-2020
161

O ano de 2020 foi atípico, marcado por uma grave crise sanitária que trouxe à tona, mais uma vez, a importância de se investir em ciência, tecnologia e inovação.  A CT&I tiveram papeis fundamentais na construção de informação sobre a covid-19, proporcionando o rápido desenvolvimento de medidas de segurança, tratamento e vacinas para essa nova doença. Nesta retrospectiva, relembramos alguns dos principais marcos do período.

O ano mal havia começado quando o mundo precisou lidar com uma das mais graves pandemias da história da humanidade. A covid-19, provocada por um novo tipo de coronavírus, fez com que a comunidade científica se mobilizasse para buscar tratamentos, vacina e mais informações.

Em março, a FAPEMIG lançou o Programa emergencial de apoio a ações de enfrentamento da pandemia causada pelo novo coronavírus – Chamada 01/2020. Com o objetivo de fortalecer ações inovadoras nas Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação públicas do Estado, a oportunidade recebeu 197 projetos para análise. Destes, 19 foram aprovados para contratação e somados representaram um investimento de R$1,98 milhão. Confira o resultado de alguns projetos aqui e aqui

Outro marco positivo foi a nova chamada do Programa de Pesquisa para o SUS: Gestão compartilhada em saúde (PPSUS), lançada em julho a iniciativa teve 145 propostas submetidas, aprovando 16. Vale destacar, ainda, o seminário “Marco Zero” dos projetos contratados em parceria com a Fundação Renova, para recuperar a área comprometida pelo o desastre da barragem do Fundão em Mariana, em 2015. O Seminário Marco Zero Biodiversidade – Chamada 10/2018, reuniu vários atores envolvidos no processo que, agora, iniciarão suas pesquisas.

A adoção do trabalho remoto levou a adaptações de procedimentos. Segundo o assessor técnico de Ciência e Inovação da FAPEMIG, Rafael Pessoa, verificou-se uma boa taxa média de desempenho. As câmaras de assessoramento analisaram, ao todo, 1.367 processos e a equipe interna avaliou 3.835 processos de prestação de contas financeira, tudo de forma remota. 

INOVAÇÃO

Em 2020, a FAPEMIG lançou a Vitrine Tecnológica de Minas Gerais. Hospedada no site da Fundação, a plataforma apresenta tecnologias desenvolvidas por pesquisadores mineiros que podem ser exploradas comercialmente por empresas. Um exemplo é o dispositivo, desenvolvido na Universidade Federal de Lavras (Ufla), pelo pesquisador Juliano Oliveira, que permite controlar, em tempo real, a fertilização do solo. Ajudando, assim, no consumo eficiente de água e na redução do impacto ambiental provocado pela lavoura.

No contexto do Programa Centelha - MG , promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), operada pela Fundação CERTI e executada em Minas Gerais pela FAPEMIG, a maior parte dos projetos foi contratada e já está em andamento. “Foram feitos pelo menos três eventos para aprimoramento, alguns próprios para os empreendedores, outros abertos ao público”, informa Rafael Pessoa. Além disso, a Fundação teve participação importante na semana de inovação organizada pela Prodemge, quando organizou painel para discutir a legislação mineira sobre ciência, tecnologia e inovação.

A agência de fomento mineira também apoiou financeiramente uma edição especial do programa mineiro de aceleração de Startups, Seed – atualmente sob comando da Secretária de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais (Sede) – chamado Seed Gov. O objetivo dessa edição é desenvolver soluções para o governo do Estado, ou seja, os demandantes dos desafios são os próprios órgãos públicos, inclusive a FAPEMIG. Também vale citar o Ciclo de Inovação Aberta, que buscou conectar desafios relevantes a soluções tecnológicas do meio acadêmico. Promovido pelo Hub MG, com apoio da FAPEMIG, o Ciclo lançou dois desafios –  do aço e de previsão de vendas – afim de sanar problemas enfrentados por um dos maiores grupos siderúrgicos do mundo. 

Ainda foi lançado, em 2020, um canal de informação sobre inovação e tecnologia, o Inovaminas. Também localizado no site da FAPEMIG, o ambiente é atualizado semanalmente e traz experiências, novidades e oportunidades do setor de inovação mineiro.


COVID-19

Além da chamada emergencial para financiamento de pesquisas sobre o tema, a Fundação também direcionou recursos financeiros adicionais ao Centro de Tecnologia de Vacinas (CT-Vacinas), do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Vacinas (INCT-V). O que ajudou na mudança radical da rotina da equipe, que se reajustou para trabalhar em duas frentes: diagnóstico da doença e desenvolvimento de uma vacina.

No final de março, a FAPEMIG, em parceria com a Sede, por meio da Subsecretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, financiou projetos e ideias inovadoras de instituições de pesquisa mineiras que buscavam combater a pandemia. A Fundação também buscou levar à população informações confiáveis e acessíveis sobre a pandemia. Para isso, apoiou o coletivo Força-tarefa Amerek, iniciativa de divulgação científica que contou com a colaboração de pesquisadores, jornalistas e comunicólogos de várias instituições do Brasil, assim como de outros países, como a Itália. 


EVENTOS EM TEMPOS DE PANDEMIA

Assim como o trabalho e o atendimento sofreram mudanças, também foi preciso pensar em uma nova roupagem e formato para os eventos de divulgação científica. O primeiro evento de forma remota que a FAPEMIG participou esse ano foi a Marcha Virtual pela Ciência no Brasil. Promovida pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), o evento buscou chamar a atenção para a importância da ciência no enfrentamento da pandemia e de suas implicações sociais, econômicas e para a saúde. 

O Dia Nacional da Pesquisadora e do Pesquisador Científico também foi comemorado à distância. Para celebrar a data, a Fundação realizou uma live com o diretor Paulo Beirão sobre “Fazer Ciência em Tempos de Crise”. O acontecimento deu origem a uma série de lives mensais no Instagram, onde todo mês um pesquisador é convidado para conversar sobre temas científicos que estão em alta. Confira todas as lives que já aconteceram aqui

Outro evento que teve de ocorrer no ambiente online foi o Fala Ciência. Em sua oitava edição, o curso de comunicação pública da ciência e tecnologia foi composto por uma programação para sensibilizar e compartilhar possibilidades para a divulgação científica e contou com nomes importantes como Luisa Massarani, coordenadora do Instituto Nacional de Comunicação Pública em Ciência e Tecnologia da Fiocruz e Sabine Righetti, da Agência Bori. Confira tudo o que aconteceu aqui.