Estudante da UFMG participa de competição de empreendedorismo social

Téo Scalioni - 19-08-2021
598

Capacitar famílias em práticas agrícolas para alcançarem a autossuficiência alimentar. Esse é o objetivo do projeto do estudante de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Kutanda Mpanzo Kulumbu que vai participar da Entrepreneurship Campus, competição internacional nos moldes da Unesco para projetos de educação para o desenvolvimento sustentável. A iniciativa é realizada em Angola, na República Democrática do Congo e no Brasil, pela ONG Transform Minds, da qual Kutanda é fundador, com programas de treinamento e qualificação em práticas agrícolas e campanhas de conscientização.

A ideia surgiu em março do 2020, quando o estudante começou o projeto de promoção e prevenção da saúde infantil, na qual teve a oportunidade de estar em contato com mais de 1000 famílias de diferentes países e entender a realidade delas. Na ocasião, foi percebido que a maior parte dessas família tinham como denominador comum, dificuldades em conseguir alimentação adequada ou suficiente para sua manutenção. Para piorar, por conta da pandemia da covid 19, a situação agravou-se ainda mais, pois famílias têm passado por problemas alimentares sérios e que tem causado vários problemas de saúde.

O projeto tinha como iniciativa distribuir alimentos para minimizar esta situação. No entanto, por melhor que a iniciativa fosse, colocaria as famílias totalmente dependentes das atividades e o projeto não teria condições de suprir as necessidades delas. Assim surgiu a ideia do programa, como forma de minimizar os impactos dos determinantes sociais da saúde por meio da autossuficiência alimentar das famílias. A ideia é capacitar essas famílias para se tornarem independentes, capazes de cuidarem da sua alimentação e obterem condições de suprirem as próprias necessidades e demandas.

Segundo Kutanda, a proposta do projeto é garantir uma auto suficiência alimentar das famílias participantes por meio dos programas de empreendedorismo. “Será possível a criação de fonte de renda para as famílias envolvidas, fazendo com que haja uma melhoria na condição financeira das famílias beneficiadas pelas ações deste projeto”, explica ele, possibilitando a elevação da qualidade de vida e bem-estar das famílias.   

De acordo com o estudante, são vários fatores que podem influenciar para a ocorrência de problemas de saúde, que levam necessariamente a se pensar nos determinantes sociais. Para ele, a saúde deve ser tratada como um estado de completo bem-estar, não somente na ausência de infecções e enfermidades. “Um relatório da Organização das Nações Unidas mostrou que mais de 700 milhões de pessoas são impactadas pela fome. Ainda houve um aumento de 10 milhões de pessoas em um ano e aproximadamente 60 milhões em cinco anos”, observa.

Empreendedorismo, saúde e bem-estar
O Entrepreneurship Campus foi iniciado para capacitar empreendedores em todo o mundo para criar respostas inovadoras aos desafios globais e comunitários, além de se engajar para deixar o planeta  mais pacífico e sustentável. A premiação dos projetos vencedores será divulgada em uma cerimônia em anúncio virtual em 10 de dezembro. “As expectativas são as mais boas possíveis, queremos claro que sim ganhar este prêmio, mas ao mesmo tempo uma oportunidade de criar parceria que podem fazer um grande diferencial, para este projeto e outros que estão em desenvolvimento, assim continuarmos a impactar mais famílias”, garante Kutanda. Vale lembrar que o projeto precisa de votação do público para seguir na competição. Clique aqui para votar.