FAPEMIG adere a sistema que promove transparência de dados

Vanessa Fagundes, com informações da CCS/Capes - 12-08-2019
211


Evaldo Vilela (direita), presidente da FAPEMIG e do Confap, participou do lançamento do Conecti Brasil (Foto: Haydée Vieira/Capes)


Integração de dados, com o objetivo de conferir maior agilidade e qualidade aos processos de seleção e avaliação das políticas de fomento. Esse é um dos objetivos do Consórcio Nacional em Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação (Conecti Brasil), iniciativa multi-institucional que prevê criar um ecossistema de informações em pesquisa, integrando os sistemas federais e estaduais e otimizando a gestão do conhecimento, por meio de uma plataforma nacional de integração de dados relacionados à área. Na semana passada (7), o Consórcio foi oficializado com uma cerimônia que reuniu, na sede da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), gestores de instituições de todo o país.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) aderiu ao Conecti por meio do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap). De acordo com Evaldo Vilela, presidente da FAPEMIG e do Confap, a integração de conteúdos é importante na gestão dos convênios que as FAPs realizam com outras instituições. “Além disso, é possível consolidar os resultados gerados pelas pesquisas e inovações tecnológicas, demonstrando a relevância deste setor para o desenvolvimento do país”, aponta.

Vilela destaca, ainda, a oportunidade que a participação no consórcio traz de se conhecer melhor os demais agentes do sistema de C,T&I: suas boas práticas, forma de operação, dificuldades e estratégias, o que será vital para estabelecimento de novas e frutíferas parcerias.

Benefícios

Os benefícios do Conecti envolvem toda a comunidade acadêmica. Conforme afirmou Anderson Correia, presidente da Capes, “em termos práticos, ele dará maior visibilidade aos pesquisadores, tanto nacional, quanto internacionalmente. A Capes, o CNPq e todas as fundações de pesquisa do Brasil, suas pesquisas, publicações, recursos e equipamentos”.

Atualmente, o Conecti já tem ações em andamento, como o projeto de semântica para padronização dos dados e o uso o Orcid, o identificador persistente para pesquisadores que garante a correta identificação do nome da pessoa com os seus produtos. “O Orcid já está disponível no site da Capes, para o acesso aos sistemas da Capes e também no Lattes, do CNPq”, contou Talita Oliveira, coordenadora geral de Atividades de Apoio à Pós-Graduação da Capes. “É importante que o pesquisador informe o seu Orcid quando for submeter o artigo e informe também esse número dentro dos sistemas da Capes, do CNPq, porque esse é o primeiro passo para que depois a gente consiga recuperar automaticamente as informações”, destacou.

O Conecti é composto pela Capes, CNPq, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), Confap, Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e Biblioteca Eletrônica Científica Online (Scielo). Evaldo Vilela comenta que o Confap, enquanto signatário, participa ativamente dos encontros e decisões do ConectiBrasil. “Além disto, está desenvolvendo, em parceria com a RNP, um sistema que integrará os dados das diversas FAPS do país, permitindo uma visão detalhada do fomento realizado por estas agências. Uma vez concluído, este sistema poderá se integrar às demais plataformas do Conecti, permitindo uma visão global do fomento à pesquisa e inovação no país”.