Chamada vai financiar pesquisadores interessados na recuperação das áreas atingidas pelo rompimento de Fundão

Assessoria de Comunicação - 08-11-2018

Parceria firmada entre a Fundação Renova e as Fundações de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais e do Espírito Santo (Fapemig e Fapes) vai investir R$ 5,7 milhões em projetos de pesquisa que proponham soluções para a recuperação socioeconômica e socioambiental das áreas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão. As submissões para a chamada podem ser feitas a partir de hoje, dia 8, e estarão abertas a Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs) sediados em Minas Gerais ou no Espirito Santo.

Através da Chamada Pública Fapemig 09/2018, serão selecionados e financiados projetos de pesquisa de até R$ 1 milhão e com prazo para desenvolvimento de 24 meses. As propostas devem abordar uma ou mais linhas temáticas apresentadas na chamada, como pesca, educação e cultura, uso sustentável da terra, monitoramento de ecossistema, entre outras.

Os recursos são oriundos da Fundação Renova. À Fapemig, cabe o encaminhamento do julgamento de todas as propostas, da divulgação do resultado e da análise dos recursos.

Para acessar a chamada, clique aqui. O prazo vai até dia 31 de janeiro de 2019.

Segundo Paulo Rocha, líder da frente de fomento à economia da Fundação Renova, uma das premissas da entidade é incentivar e financiar a produção de conhecimento relacionado à recuperação das áreas impactadas pelo desastre, através da criação e fortalecimento de linhas de pesquisa de tecnologias aplicadas. “Considerando o ineditismo do rompimento e das ações de reparação, grande parte das soluções tecnológicas para os desafios encontrados pelas áreas socioeconômicas e socioambientais da Fundação ainda se encontra na fronteira do conhecimento. O apoio da Fapemig e da Fapes é essencial nesse contexto”, avalia.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapemig, Paulo Sérgio Lacerda Beirão, completa: “Quando o poder público ou uma empresa enfrenta determinado problema, raramente recorre à academia para ajudar a encontrar a solução. Há exceções, claro. Mas, no geral, a tendência é copiar soluções do exterior ou comprar tecnologias, que nem sempre são as mais adequadas. A academia pode contribuir muito, e quando não há conhecimento pronto, ela busca. A participação da ciência é fundamental para solucionar crises desse tipo e precisamos incentivar indústria e academia a conversar mais”.

Para o diretor-presidente da Fapes, Jose Antonio Bof Buffon, A FAPES, desde a primeira hora do rompimento da barragem de Fundão, se comprometeu em buscar soluções. Procuramos a FAPEMIG e firmamos uma parceria para um Edital conjunto, iniciativa que foi encorpada com a adesão da CAPES, ANA e CNPq. Projetos deste Edital já estão em execução e, inclusive, foram objeto uma primeira avalição. Desta forma, estamos diante de outra importante parceria ente FAPES FAPEMIG, agora com a Fundação RENOVA. O objetivo é buscar o aprofundamento do conhecimento relacionado com o Rio Doce, particularmente naqueles temas agora mais voltados pra a recuperação do rio e a sustentabilidade socioeconômica da região afetada.”

Sobre a Chamada Pública

A Chamada Pública é uma iniciativa derivada do Acordo de Cooperação Técnica firmado entre a Fundação Renova, a Fapemig e a Fapes, firmado em maio de 2017. O acordo prevê o estabelecimento de parcerias entre as instituições para o fomento e financiamento de estudos que tenham como foco a recuperação das áreas impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana.

A Fundação Renova conduziu um levantamento interno junto às suas áreas técnicas para a definição de linhas temáticas, que serão norteadoras do tipo de pesquisa desejado e que auxiliarão no processo de seleção dos projetos inscritos.

Tais linhas foram agrupadas nas áreas abaixo:

I) Educação e Cultura;

II) Memória Histórica, Cultural e Artística;

III) Pesca;

IV) Monitoramento de Ecossistemas;

V) Uso da água;

VI) Uso Sustentável da Terra;

VII) Novos processos para Gestão do Conhecimento e Governança;

VIII) Organização Social;

IX) Manejo de Rejeitos.


Sobre a Fundação Renova


A Fundação é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar, com autonomia técnica, administrativa e financeira, os programas e ações de reparação e compensação socioeconômica e socioambiental para recuperar, remediar e reparar os impactos gerados a partir do rompimento da Barragem de Fundão, com transparência, legitimidade e senso de urgência.

A Fundação foi estabelecida por meio de um Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas Vale e BHP, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente, dentre outros), em março de 2016.