Cadeira de rodas diferenciada dá mais autonomia ao usuário

Júlia Pinheiro - 22-06-2022
216

Com o objetivo de colaborar com a mobilidade de pessoas com deficiência motora, um grupo de estudantes liderado pelo técnico em mecatrônica Gabriel Henrique de Oliveira Moura criou a Cadeira destinada a pessoas com deficiências. A inovação é um aprimoramento do modelo convencional de uma cadeira de rodas comum e teve patente deferida em junho deste ano pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

A cadeira desenvolvida pelo grupo possui as mesmas dimensões de uma cadeira de escritório. Trata-se de um modelo simples, recomendado para ambientes internos e externos, com adaptação a espaços pequenos, que possibilita ao usuário se locomover de maneira autônoma. Dentre os seus diferenciais estão a base e rodas giratórias e motorizadas, as peças desmontáveis para armazenamento e deslocamento, o assento com altura ajustável, possibilitando movimentos práticos e dinâmicos em relação ao modelo convencional de cadeiras de rodas. “O objetivo desse equipamento é facilitar a mobilidade de pessoas com necessidades específicas. Ele garante uma boa sustentação do corpo e também a mobilidade dos braços, tornando mais simples a movimentação em ambientes com espaço reduzido", detalha Gabriel.

Gabriel salienta o ineditismo da sua invenção. O fato de até então não haver no mercado equipamento semelhante o motivou ainda mais a desenvolver a tecnologia voltada para pessoas com mobilidade reduzida. “Não havia equipamento na época como este dispositivo. Eu levei este projeto para a minha turma do curso técnico em mecatrônica, do Centro Universitário UNA, e alguns colegas se interessaram. Daí propus dividir a sala em grupos para o desenvolvimento do protótipo e, dentro do período de três meses, conseguimos torná-lo um projeto funcional”.


Gabriel Moura (segunda à esquerda) e equipe desenvolveram um equipamento que permite ao usuário se locomover de maneira autônoma  (Foto: arquivo pessoal)

Ideia
Gabriel Moura conta que, como parte dos estudos para desenvolvimento da cadeira, procurou o Paramec, projeto de extensão Paraplégico/Mecânica que se dedica à engenharia de reabilitação, vinculado à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Lá, conheceu Ângela Goretti Barbosa de Carvalho, que atuou como sua parceira no início do desenvolvimento do projeto. "No curso de mecatrônica, havia uma atividade chamada Projeto Integrador - a cada semestre você desenvolvia um projeto que contemplava as disciplinas do curso. Foi assim que acabei encontrando o Paramec. A partir disso conheci a Ângela, que possui limitações de locomoção e utiliza cadeiras de escritório para se movimentar em casa. Ela foi importante para a concepção da nossa ideia inicial”.

Próximos passos
Gabriel Moura conseguiu apoio da FAPEMIG para proteção intelectual da sua invenção. Ele foi contemplado como inventor independente, ou seja, inventores que não possuem vínculo formal com Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) de Minas Gerais. A equipe busca, agora, apoio para inserir a nova tecnologia no mercado.

"Esse equipamento tem um lado social, visto que oferece autonomia e liberdade para os indivíduos que possuem limitações. Ele simplifica muitas tarefas, como demonstrado no nosso vídeo de apresentação. Há uma diferença considerável entre uma cadeira comum e a nossa invenção. Com a nova concepção de moradias, por exemplo, em que setores da construção civil investem em espaços cada vez menores, trazemos uma nova possibilidade. Mas ainda precisamos de parcerias e possíveis investimentos para alcançar um novo patamar”.

Essa solução está disponível na Vitrine Tecnológica. Para acessar, clique aqui.

Para assistir ao vídeo de apresentação da tecnologia, cliquei aqui.