Vinhos produzidos com tecnologia apoiada pela FAPEMIG são novamente premiados

Comunicação EPAMIG - 25-06-2019
411

Os vinhos produzidos com tecnologia desenvolvida pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG) foram, mais uma vez, destaque na premiação Decanter World Wine.

Entre os ganhadores do Awards deste ano estão cinco rótulos produzidos a partir da técnica da dupla poda da videira e no acerto do manejo da uva Chardonnay. Métodos desenvolvidos pelo Núcleo Tecnológico Uva e Vinho da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), em Caldas (MG).

O vinho Maria Maria Diana Syrah (2017) e o espumante Maria Maria Sous Les Scaliers foram premiados com medalha de prata. Já os vinhos Maria Maria Elis Sauvignon Blanc (2018) e Casa Verrone Syrah Speciale (2017) receberam medalhas de bronze. Somando-se à lista, o vinho Maria Maria Cristina Gran Reserva (2016) recebeu uma medalha de recomendação.

O produtor, Eduardo Junqueira, conta que a primeira safra de vinhos foi produzida em 2013. Em 2015, a marca participou do Decanter World Wine pela primeira vez e desde então angaria prêmios. “Dessa vez enviamos os quatro rótulos que nós comercializamos e os quatro foram premiados”, comemora ele. O produtor ainda afirma que sem a tecnologia da dupla poda e a colaboração da EPAMIG seria impossível plantar e colher uvas de qualidade no Sul de Minas.

Márcio Verrone, produtor e proprietário da Casa Verrone, também destaca a dupla poda como o diferencial de seus vinhos. “A dupla poda me fornece uvas encorpadas, com boa presença no paladar. Acredito que com essa técnica estamos dando início a uma grande mudança no vinho brasileiro”, afirma.

Dupla poda e manejo da Chardonnay

A dupla poda consiste na inversão do ciclo produtivo da videira, que altera para o inverno o período de colheita das uvas destinadas à produção de vinhos. A técnica é resultado de um trabalho de pesquisas de mais de 20 anos que aperfeiçoou a qualidade dos vinhos finos produzidos no Brasil em propriedades no Sul de Minas, Rio de Janeiro e São Paulo.

Só na região Sudeste, cerca de 500 mil de litros de vinho tinto, e branco são elaborados a partir dessa tecnologia. “O método consiste, ainda, na realização de duas podas, uma de formação dos ramos no mês de agosto, e outra de produção no mês de janeiro”, destaca o pesquisador da EPAMIG, Murillo de Albuquerque Regina, responsável por desenvolver a ideia.

A combinação dos elementos tempo seco, dias ensolarados e noites frias são responsáveis por ocasionar a colheita de uma uva sã, de maturação plena, que apresenta mais aroma e mais concentração de cor, o que contribui para o incremento da qualidade do vinho. A iniciativa inovadora de se produzir vinhos finos na Mantiqueira teve início em regiões cafeeiras como uma alternativa para diversificação de renda.

Segundo a enóloga da EPAMIG e responsável pela condução do processo de vinificação dos vinhos premiados, Isabela Peregrino, a vinícola Experimental de Caldas tem funcionado como “incubadora” no processamento de uvas de produtores de Minas Gerais e de outros estados. “Atualmente atendemos 20 produtores. Todas as bebidas se baseiam na dupla poda ou no acerto do manejo da uva Chardonnay para elaboração de espumantes. Esse último processo, também estabelecido por meio das pesquisas em vitivinicultura, resulta em bebida de qualidade, provando que temos tanta vocação quanto os espumantes do Sul do Brasil”, complementa.

Decanter World Wine Award

O prêmio Decanter World Wine Awards acontece anualmente na Europa. Organizado pela revista inglesa Decanter, a premiação é uma das mais tradicionais e respeitadas publicações sobre vinhos no mundo. Em 2019, o concurso que chega a sua 16ª edição, julgou aproximadamente 17 mil vinhos, de 57 países.