FAPEMIG colabora com pesquisa para desenvolvimento no esporte

Vitor Hugo Silva - 05-11-2019
227

A ciência e a tecnologia estão sendo cada vez mais introduzidas no esporte, para trazer melhorias, esclarecer dúvidas e até mesmo prevenir futuros problemas.

Com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), a Universidade Federal de Viçosa (UFV), realizou pesquisas sobre termografia ligadas ao esporte. 

Seu exame é feito por câmeras termográficas de tamanhos variáveis. A captação da imagem termográfica é um procedimento que consiste em uma foto tirada pela câmera especial, que mapeia o corpo pela quantidade de calor emitida por cada região. Essa metodologia permite identificar disfunções e caracterizar doenças ou lesões antes mesmo que os primeiros sintomas surjam.  Preservando assim, a integridade do atleta de alto nível.

“A primeira, e mais simples, compramos com recursos próprios. Já a segunda, uma câmera de melhor qualidade, foi adquirida com apoio da FAPEMIG”, contou João Carlos Bouza, coordenador do Laboratório de Termografia da UFV. 

Essa técnica vem ganhando espaço no esporte, inclusive no futebol. E é utilizada entre clubes do Campeonato Brasileiro, a exemplo de Cruzeiro e Botafogo. O método foi implantado como pesquisa-base na esquipe do Cruzeiro desde 2013, que por ser implantada, deixou de ser pesquisa.

De acordo com Alex de Andrade Fernandes, pesquisador  do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IF-MG), em resultados práticos, observados e mensurados pela equipe do Cruzeiro Esporte Clube, o números de lesões diminuíram drasticamente, e os atletas podem entrar em melhores condições de jogo, com percentual mais próximo do seu máximo, podendo assim se entregar mais à partida. 

“Pode-se pensar numa dieta fitness, em afastá-lo de treinamentos, reduzir a carga de trabalho, ou, até mesmo, tirá-lo de uma partida, a fim de resguardá-lo de lesões que poderiam prejudicar o time em um ou dois meses”, explica Alex.

A pesquisa é inovadora, sendo a primeira em publicação mundial a apontar resultados sobre o assunto, por meio de comparação. Segundo Alex Andrade, os dados poderão ajudar outros especialistas, como fisiologistas, a trabalhar na termorregulação sob novas perspectivas. 

Saiba mais sobre essa pesquisa na revista Minas Faz Ciência Edição n° 76.