A tecnologia de mãos dadas com a solidariedade

Téo Scalioni - 20-02-2020
219

Quem foi que falou que a tecnologia também não se trata de uma ferramenta para solidariedade? Pensando nisso, a Pastoral do Povo de Rua, que faz um trabalho com cerca de 1200 moradores de rua, resolveu melhorar a forma de comunicação justamente para facilitar, articular e potencializar suas diversas ações. Para isso, a Pastoral criou o projeto Novo Olhar na Rua que busca criar uma rede de ajuda mútua entre todos os evolvidos que atuam de forma voluntária junto às pessoas mais necessitadas utilizando a tecnologia a seu favor.

Inicialmente, por meio de uma parceria com o setor de computação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), a Pastoral desenvolveu um site que além de suas ações, poderá divulgar o que estão precisando e também conectar pessoas e empresas que desejam ajudar. A ferramenta que está em sua fase final, deve ir ao ar já em março e a partir dela um trabalho de marketing, principalmente junto às redes sociais, será desenvolvido para se ter um alcance ainda maior.

“Como vai haver um cadastro, os interessados poderão apresentar por meio da plataforma os pleitos para participação, presença e como poderão ajudar”, observa Cristina Bove, voluntária da Pastoral Nacional do Povo de Rua. Segundo ela, por meio do site, além de conseguirem aumentar o alcance para captação de recursos, também se poderá otimizar o tipo de recurso necessário naquele exato momento. “As pessoas pensam que morador de rua só precisa de roupa e sopa. Às vezes o que estamos necessitando naquela hora é de um kit de higiene com escovas de dente e sabonete. Assim, por meio do nosso site e redes sociais essa demanda pode aparecer, por exemplo, para uma drogaria disposta a ajudar”, explica ela.

Rede de apoio

Além disso, um dos objetivos da plataforma é buscar o contato de empresas para serem constantes apoiadoras do Projeto Nova Olhar na Rua. Como patrocinadora, a organização poderá também divulgar nos canais do projeto suas ações colaborativas em geral. “Vai ter um espaço no qual ela vai mostrar à sociedade um pouco de trabalho realizado o que às vezes às pessoas não ficam sabendo”, observa.

Também sendo uma das idealizadoras do projeto, Claudenice Lopes, coordenadora da Pastoral da Arquidiocese, acredita que a ferramenta visa ampliar e intensificar o debate sobre o tema para que surjam novas ideias e propostas. “Elaborar um instrumento para fomentar a cultura da solidariedade, minorar as condições sociais e garantir direitos sociais. Ideias que nos animaram e nos colocaram em movimento em busca de novas respostas e tecnologias”, afirma ela.

Tanto que para melhorar ainda mais essas conexões, o próximo passo do projeto, assim que o site estiver funcionando e com engajamento nas redes sociais, será o desenvolvimento de um aplicativo. “Estamos em busca de um parceiro disposto a desenvolvê-lo pois sabemos que com app tanto a atuação de cada ator quanto o estreitamento da rede será ainda mais forte”, acredita ela.