Encontro das Câmaras de Assessoramento aborda diretrizes para 2020

Tatiana Nepomuceno - 13-03-2020
545

Foto: João Oliveira / Divulgação FAPEMIG

Quando um pesquisador solicita financiamento à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) para desenvolver projeto de pesquisa, inicia-se um criterioso processo de avaliação. Essa tarefa envolve a participação direta das Câmaras de Assessoramento, compostas por pesquisadores de reconhecida experiência e conhecimento em seus campos de atuação. As Câmaras, que se dividem por área do conhecimento, são responsáveis pela análise, julgamento e recomendação dos pleitos apresentados. Na última quarta-feira (11), esses pesquisadores se reuniram na FAPEMIG para um encontro que apresentou novas ações e diretrizes a serem adotadas pela Fundação em 2020.

Na ocasião, o presidente da FAPEMIG, Evaldo Vilela, falou sobre a importância do diálogo constante com o Governo e com parlamentares para garantir a legitimidade da ciência, tecnologia e inovação (CT&I) no Estado. Para isso, solicitou o apoio de todos: “Hoje, temos uma bancada forte de parlamentares apoiando a CT&I, mas é preciso continuar os esforços a fim de defender a área como ativo estratégico para o desenvolvimento econômico do País”, disse.

No âmbito estadual, ele destacou as ações, em 2019, para manter o pagamento das bolsas de pós-graduação e de alguns projetos, mesmo com a severa crise financeira em Minas Gerais. A previsão é que o ano de 2020 também seja duro. As ações da FAPEMIG serão definidas com cautela, considerando o cenário que se apresenta.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da FAPEMIG, Paulo Beirão, falou sobre o trabalho fundamental desenvolvido pelos membros das Câmaras e chamou a atenção para pontos que devem ser considerados ao longo do ano, durante o trabalho de avaliação dos projetos. “A ênfase da análise deverá ser direcionada para os resultados alcançados”, explicou. “Também vamos focar no apoio a jovens talentosos e valorizar propostas inovadoras, de alta relevância e ousadas”,fala.

Avaliação de projetos

Atualmente, a FAPEMIG possui 11 Câmaras de Assessoramento, divididas por grandes áreas do conhecimento. São elas: Câmara de Agricultura (CAG), Câmara de Medicina Veterinária e Zootecnia (CVZ), Câmara de Ciências Biológicas e Biotecnologia (CBB), Câmara de Ciências da Saúde (CDS), Câmara de Ciências Exatas e dos Materiais (CEX), Câmara de Arquitetura e Engenharias (TEC), Câmara de Recursos Naturais, Ciências e Tecnologias Ambientais (CRA), Câmara de Ciências Aplicadas (CSA), Câmara de Ciências Humanas, Sociais e Educação (CHE), Câmara do Programa de Capacitação de Recursos Humanos (PCRH), Câmara de Políticas Públicas (CPP).

Elas reúnem, no total, cerca de 100 especialistas, que possuem mandato de dois anos, podendo ser prorrogado por mais um ano. Sua composição é pensada de forma a garantir representatividade das instituições de ensino e/ou pesquisa sediadas em Minas. As Câmaras se reúnem periodicamente para analisar, quanto ao mérito científico e técnico, os pedidos de apoio recebidos pela FAPEMIG. Também é sua responsabilidade a análise dos relatórios que demonstram os resultados dos projetos concluídos. Apenas em 2019, um total de 1.374 relatórios foram analisadas pelas Câmaras.