Tecnologia no campo

Tuany Alves - 17-06-2020
361

A preparação do solo é indispensável para garantir um controle maior da produtividade e qualidade dos produtos na hora da colheita. Conhecido como fertilização esse processo busca repor os nutrientes necessários para o desenvolvimento dos cultivos. 

Visando melhorar e automatizar essa etapa do plantio, pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (Ufla) desenvolveram um dispositivo que permite controlar, em tempo real, a fertilização do solo. O sistema, que contou com o apoio da FAPEMIG para a sua criação, é capaz de liberar para o solo, de forma controlada, os nutrientes

Segundo o coordenador da pesquisa, Juliano Elvis de Oliveira, o sistema pode ajudar no consumo eficiente de água e na redução do impacto ambiental provocado pela lavoura. “Além de reduzir custos com fertilização do solo”, destaca.

O estudo foi realizado em 2014 a partir da ideia do pesquisador Matheus Neiva, na época, aluno de graduação em engenharia de controle e automação.

Como funciona

De acordo com Oliveira, atualmente os sistemas de irrigação não trabalham de forma a interligar, em tempo real, as informações de sensores. “Nessa nova tecnologia é possível determinar diversos parâmetros do solo de interesse agronômico, como temperatura, umidade, macronutrientes e micronutrientes. Determinado essas informações, elas são enviadas via wireless para o computador ou celular do responsável técnico pela lavoura” conta. 

Além disso, a partir desses dados, a tecnologia consegue verificar a quantidade necessária dos nutrientes para serem repostos e os inserem na irrigação, diluindo na concentração correta. “Após o envio das informações, automaticamente alguns atuadores são acionados para liberar dosagens de soluções contendo a quantidade necessária de macro e micronutrientes no solo”, explica. 

Vitrine tecnológica 

O sistema está em fase de protótipo e integra o portfólio de tecnologias expostas na Vitrine Tecnológica. Veja-a aqui.

O projeto visa aproximar a academia do setor privado, de forma que o conhecimento produzido nas universidades ganhe as prateleiras do comércio. Lançada no início desse mês, ela é uma iniciativa da FAPEMIG, com apoio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) e conta com mais de 100 oportunidades cadastradas, de instituições das diferentes regiões do Estado. Para acessa-la clique aqui