Espécies do Parque Estadual do Rio Doce são reunidas em álbum de figurinhas

Júlia Rodrigues - 07-06-2022
604

Onça-pintada, tatu-canastra, jacaré-de-papo-amarelo. Esses e outros animais que vivem no Parque Estadual do Rio Doce (PERD) agora podem ser encontrados, também, em outro lugar: no álbum de figurinhas "Tem Bicho no Parque?". O álbum, produzido por um grupo formado por pesquisadores, técnicos e alunos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), traz histórias e ilustrações de dez espécies presentes no PERD, primeira unidade de conservação legalmente criada em Minas Gerais e abrigo do maior remanescente de Mata Atlântica do Estado.

A elaboração do material educativo faz parte do projeto de extensão “De Minas para o mundo: Orgulho de viver no Parque Estadual do Rio Doce”. A ideia da iniciativa nasceu em 2015, durante um trabalho de campo de Daniel Marchetti Maroneze, professor do Colégio Técnico da UFMG (Coltec) e um dos idealizadores do projeto. Na ocasião, ele ouviu do líder dos guarda-parque que, muitas vezes, a equipe tinha acesso limitado às pesquisas ali desenvolvidas e que tais resultados poderiam contribuir para desenvolver ações de sensibilização mais efetivas com os visitantes. 

O álbum de figurinhas foi pensado para os estudantes de escolas de Educação Básica localizadas no entorno da unidade de conservação. Segundo a coidealizadora do projeto Vanessa Cappelle, técnica em Assuntos Educacionais da Proex-UFMG, a escolha do público-alvo se deu de forma estratégica, considerando o potencial das crianças de atuarem como multiplicadores desse conhecimento e sua capacidade de engajar a família no debate em prol da conservação da Mata Atlântica.

O projete obteve financiamento via Edital de produtos extensionistas destinados à educação básica e profissional pública da Pró-Reitoria de Extensão da UFMG (Proex-UFMG). Os exemplares serão distribuídos a escolas do entorno e sua versão em e-book já está disponível. 


 

Coidealizadores da obra: Vanessa Cappelle e Daniel Marchetti  Fonte: Arquivo Pessoal

 ESCOLHA DAS ESPÉCIES
A escolha das dez espécies citadas no álbum, algumas delas ameaçadas de extinção, foi feita a partir de consulta à equipe do parque. O levantamento considerou, entre outros, quais animais seriam mais atrativos para o público infantil. Paralelamente, foi desenvolvido um projeto de pesquisa voltado à biodiversidade por meio da revisão de literatura das espécies descritas no Parque Estadual do Rio Doce desde a sua fundação. O estudo levou à escolha de mais duas espécies para integrar a obra, a Pulga D'Água e mosca Mapinguari uai

Ilustração: Bruno Assis Fonseca

 

CONSTRUÇÃO EM CONJUNTO

Um dos desafios deste projeto foi encontrar a linguagem adequada para o público pretendido. Segundo Vanessa, a linguagem escolhida convida a criança a se engajar com a causa da conservação por meio de um texto mais poético e animado, como se o próprio animal contasse sua história.  “Queríamos algo mais próximo deste universo literário e que atraísse mais a atenção das crianças pela historinha", explica.

A fase de pesquisa e a primeira versão do texto envolveu estudantes do Coltec, além de bolsistas e voluntários dos cursos de Ciências Biológicas e Ciências Socioambientais. Já o trabalho de ilustração foi feito por Bruno Assis Fonseca baseando-se em uma pesquisa de referências com base em fotos tiradas no próprio parque com o objetivo de tornar as representações bem próximas aos habitats das espécies citadas.

Profissionais da educação em ciências com experiência prévia em trabalhos com o público infantil e cientistas que desenvolvem pesquisas no PERD foram convidados a contribuir com críticas e sugestões. Eles também auxiliaram com a atualização dos dados das espécies representadas. "Foi uma fase muito rica de trabalho porque todos que receberam um convite para fazer a leitura e trocar ideias. Eles fizeram isso com muita satisfação, se engajaram e responderam os e-mails prontamente", relembra Vanessa.  "Foi uma porta para novas parcerias como, por exemplo, com o pessoal do Projeto Tatu Canastra, que monitora a população de Tatus do Parque."  


Reprodução: "Tem bicho no meu parque?" na versão álbum de figurinhas 


PERSPECTIVAS
Vanessa conta que o álbum já estava impresso desde o ano passado, mas que, por causa das medidas restritivas impostas pela pandemia de covid-19, a distribuição dos exemplares foi adiada. A previsão é que isso aconteça agora. "Estamos em contato com o pessoal do parque para nos indicar e articular uma escola parceira do entorno para podermos fazer a entregar', explica. 

Os exemplares impressos são destinados ao público do entorno da unidade de conservação. A fim de ampliar a divulgação, foi desenvolvida uma versão adaptada em formato e-book para todos os interessados. 


- Confira o e-book do livro “Tem bicho no parque?” 


 "Tem sido muito bom o retorno sobre o álbum. Colegas professores perguntam como podem acessar ou imprimir”. Vanessa revela que tem conversado com o ilustrador Bruno Fonseca para imaginar adaptações que possam suprir estas demandas.  

Vanessa Cappele conta que assim que a versão digital ficou pronta foi imediatamente enviada à equipe do parque. "O pessoal se reconheceu nesse material, especialmente aqueles que participaram na proposição de quais bichos entrariam e no próprio contexto das imagens do parque".  

Dentre os próximos passos, a equipe do projeto espera desenvolver junto aos professores formas possíveis de trabalhar este material em sala de aula. A equipe de extensão ainda pensa em desenvolver fichas, destinada às crianças, com informações voltadas à biologia das espécies.